terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Ouça a melodia

A noite cai e o último trem parte da estação.
O sabor da tarde se vai junto dele

Sua passagem é fora de cogitação
Eu nunca pensei em sair daqui.

A minha esperança é que o trem que te leva
É o mesmo que pode te trazer de volta à cidade.

E se isso nunca acontecer, querida, tome novos ares..
Aprenda com suas novas experiências e não tema o passado

Deixe despertar a sua melhor emoção

Feche os olhos e sinta a brisa que te afaga
Sinta a melodia que ela te traz e ouça com o coração

Não se deixe abalar com o medo do fracasso
Não tenha medo de cair na solidão

Pois mesmo que distante eu serei sua canção.

Basta querer ouvir.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Animação

Você me vem em uma pintura esfumaçada como giz
Uma animação quadro a quadro..
É curiosa de ser entendida..
Quando eu tento segurar você se esquiva e foge como névoa pelo campo
Mas se deixo livre e fecho os olhos, está mais  próxima do que nunca.

A vida às vezes me é cheia demais,
As coisas têm vida demais,
Mas algumas delas são impregnadas com o seu cheiro
E esse doce é amargo de sentir


Mas eu insisto

Pois sou um eterno desperdício do viver


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Ensaios


Ensaiei sorrisos o ano inteiro pra te entregar um bem feito. Mas na hora veio de improviso, veio de dentro.. Você me deu um e eu te dei todos


Eu trocaria o ano inteiro Por aquele instante.
Eu reviveria  o dia inteiro por aquela noite

E você, tão pequena e delicada, não fez nada demais, só me deixou ser.. Mas eu fui destrutivo e no segundo momento acabei com os sorrisos.

Nenhuma desculpa é o bastante.. Voltei ao meu lugar de coisa nenhuma e não vejo saída de novo. Porque eu sempre te vejo sair desse quarto.. Mas você sempre fecha a porta quando sai..

Então eu te vejo pela janela, livre e com seu sorriso contagiante..

Então me olho no espelho e volto a ensaiar um sorriso pra quando você voltar.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Atlas

Sonho com uma sequência de flashes curiosos e perturbadores.

No penúltimo deles você me disse -entrecortada- das coisas que eu gostaria de ouvir.

Mas no último deles eu estava descalço em um campo aberto sobre a grama verde fresca e infinita.

Então encontrei uma estátua de bronze muito bem polido que refletia o sol em suas curvas.

A estátua era um bloco sólido e denso do mesmo material e em cima dele uma criança plantava bananeira. Os pés dela - no alto - carregavam um disco, uma espécia de base. E ela sorria.

Estranhei seu rosto e me coloquei de ponta cabeça para melhor examiná-la e.. Para minha surpresa, seu rosto não era feliz. A estátua estava de cabeça para baixo. A pessoa deveria estar sustentando todo aquele peso e a base em seus pés era o equilíbrio para aquilo.

Por sorte despertei intrigado.

Por sorte despertei,

Mas nunca o bastante.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Asas de Ícaro



Escrevi nossa história com giz de cera


descrevi registros que não existiram, inventei realidades para ilustrar a nossa de uma maneira especial.


Experimentei músicas que não eram nossas e saboreei cores que não pintamos.


Sei das coisas que fiz para nos tornar mais sólidos. Me entreguei a romances que não existiam e a consequência foi a distorção do que vivíamos.


Sinto muito.

Desculpe-me pela paixão


Sei que violar a paz é também te ver partir (de novo).


Do que escrevi, as palavras se foram, mas as frases e as cores ficaram.


As cores de cera derreteram, é verdade, mas se uniram em um espectro mais poético que meus textos gastos.

Mostram que, mesmo no calor, as escolhas que fizemos são perpétuas em mim.


E eu me derreto E eu sinto muito..

Sinto muito.