segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Formigas no teto

As formigas andam sobre o isopor no teto e o crepitar de suas patas mais parece chuva boa

O farfalhar das árvores coladas em minha janela me lembram onde estou

Seria impossível não lembrar, mas se acontecer, me faço em um outro alguém.

Confesso que estar encantado acomoda sorrisos afáveis neste que está de coração aberto para receber seu calor.

No despertar da manhã, no silêncio velado sobre sereno e orvalho, eu creio que não falta no mundo nenhuma só cor.

Pois não há quem possa conter quando, como o sol no horizonte, é chegado o amor.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Onde Nix encontra Hemera

Olá, Querida!

Você já olhou a lua no céu esta noite?

Aposto que sim.

E contou as estrelas do firmamento como me ensinou a fazer?

Aposto que há muito mais delas do que ontem e ainda menos do que amanhã.

Querida, você já recolheu as lágrimas que te assombram no escuro?

Aposto que sim.

Mas deixemos isso para lá.

Se concentre no céu. Esta noite ele está lindo.

É uma pena que você não esteja mais aqui para ver comigo,

Mas não deixe de ver. Estando com quem esteja, esteja você onde estiver.


Às vezes eu olho para estes infinitos e me culpo por não ter aprendido a voar,
Mas sei que quando a hora chegar, todos nós vamos brincar nas nuvens e alcançaremos as estrelas.

Querida, o céu nunca se inverterá.
Ele nunca será como o oceano preenchido de ilhas nem como sua pele repleta de pintas.

Mas acredite, Querida. Eu ainda acredito no amor porque ele está entre nós como flores que brotam de cactos.

Portanto, não perca a doçura de contemplar a noite deitada no chão
Pois as estrelas revelam os segredos que temos em nosso coração.

Será que um dia eu a encontrarei vestida de aurora brincando de desenhar galáxias?

Aposto que sim.

E quando este dia chegar, serei a lua observando do alto corações jovens vivendo infinitos.

E ao escrever nossa história na eternidade terei certeza de que fomos felizes.


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Não é nada disso.

Não é que eu não queira,

Na verdade é que eu preciso

Eu não sou uma pessoa fraca,
Não se trata de fraqueza.

É só que com você eu sou mais forte,
Mas deixa.

Por que houve amor se agora não há mais nada?


Desculpa,
Não é que eu não queira,

Na verdade é que eu preciso


No meu tédio eu tento encontrar calma.

Busco a distância sem saber que até nela você existe.
E se tento te matar em mim, você resiste.

Desculpa,
Não é que eu não queira,

Na verdade é que eu preciso


Suas palavras não eram indagação
Suas palavras foram um aviso



Não é que eu não queira,

Na verdade é que eu preciso.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Moscou, 5h38min.

Inverno

Correntes e frentes frias invadindo a janela do meu quarto de forma abrupta.
Com pesar, enevoam o horizonte em carregadas nuvens de mil toneladas e megatons.

E eu?
...
Bom, me encolho em meu refúgio azul em disparate afável.

Eis que as barbáries me atormentam e num desespero de me reconhecer sem você, me faço e desfaço em mil faces... Eu sei, é inútil, em menos de 7 parágrafos eu já te encontrei.

Mas eu vou tentar esquecer, e quando isso acontecer, não mais deixarei meu relógio global marcado com os horários de Moscou e Londres.

Isso era para eu não me esquecer dos nossos destinos.

Afinal, quando eu olho pra frente ainda me sinto assentado em nós.

Mesmo sabendo que no fim nada disso foi verdadeiro o suficiente para nos levar lugar algum.



sábado, 10 de junho de 2017

Ato e potência

Um brinde

Antipatia, a aurora grosseira e o ar frio lancinante

É meu mundo, nem sequer desmoronou.

Eu destruí todo amor que havia em mim

Para viver a apatia de uma gravata pela selva de pedra.


O que há para se fazer?

recorrer multas de trânsito, me esconder em belas palavras escritas. Malditas sejam estas letras.

Porquanto a voz cala, a coragem se esvai e meu recurso falha.


E aos amigos, porque apesar dos vacilos meus, eles ainda estão ali me aconselhando em erros.