domingo, 15 de outubro de 2017

Gravidade

E a lua se aproxima e causa a maré cheia de pressão.
A maré, o mar salgado feito lágrimas escorre sobre a areia como pranto sobre a face.
A maré cheia e a noite,
O mar é a depressão dos poetas.
E estes cantam seu apego e o resto é agonia.
A brisa os toca como melodia e a saudade arrepia.
O resto é o vasto, o silêncio, a esperança de que pela manhã o sol apague a odisseia dos notívagos.

Dedico meus versos aos poetas, às putas e aos que morrem de amor.

Pois os meus versos não servem aos corpos vivos, mas àqueles cheios de espírito.

domingo, 8 de outubro de 2017

Além do aquém

Não se engane, o tempo é uma ilusão.
Um dia nos encontraremos fora dele em algum lugar sob o silêncio absoluto, onde águas e luz se confundem com nossa matéria, nosso corpo.

Neste lugar habitarão os medos, os lamentos sem rancores. Mas sobretudo, voltaremos a ser um.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Eu acredito em fantasmas.



E durante muito tempo isso foi tudo o que eu temia.
Quando criança conheci um que era camarada, outro que tinha medo dos homens, mas nenhum que me fizesse perceber que todo mal emana de nós.

Eu acreditava em fantasmas, eu queria que com muito esforço eu poderia flutuar. E como mágica, eu atravessaria paredes e seria invisível aos insensíveis.

Eu acreditei no medo, e o medo me provou que o maior tormento humano está dentro de nós. Despertar a essência é também não saber lidar com ela. O que explica tanta coisa rasa.

Eu acreditei, eu vi, eu provei
Por tanto medo, me abriguei com meus pais 
Mas de todos os que me assustaram
O passado é o que eu temo mais.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Ad Infinitum ∞

Não se precipite, não seja despertada antes do tempo novamente.

Deixe que as coisas tomem fôlego, deixe que o mundo nos supere um pouco mais.

Sabe o que aconteceria se eu deixasse de me cuidar?

O que aconteceria se você nunca mais tivesse a chance de me encarar novamente?

Eu não quero que se arrependa. Quero que tome tempo porque o amor é um sentimento instável e, quando verdadeiro, é como uma mancha colorida em um tecido cândido. Então, não queira se sujeitar ao meu tempo.

Eu nunca sairei daqui, tenho raízes profundas demais. Não se precipite, tome tempo.

O tempo há de colocar as coisas no lugar e dar vasão aos excessos.

E eu, como é de minha natureza, estou excessivamente confuso.

Pois bem, sem despedidas. Apenas caminhe em frente sem olhar para trás. Eu continuo observando de longe seus passos, ainda que escondido em fantasias das quais a mente confunde com o que é real.

Então, quando chegar no fim do caminho, abra seus olhos. Pode ser que o seu trajeto seja infinito, mas há de chegar ao começo, onde um pé de amora guarda as mais belas lembranças do que um dia eu fui.

Se for o caso.

Seus olhos me enviam mensagens secretas. Se eu pudesse rivalizar com o destino eu teria a sorte ao meu lado.

Mas minhas dores são tantas, e somam ainda esta, o destino não me é favorável. Não posso sequer dizer seu nome.

Anda! Arranque logo este meu coração se esse for o caso. Eu não me importo, mas imploro, tire devagar para que eu sinta o estrago e revire os olhos de prazer.




Não acaricie meu peito sem que me estipule nenhuma agonia
Não há outra outra mão que me abrigue como a sua
Então me toque, me machuque, se entregue com ou sem candura,
Pois o seu toque fraterno é admirável

Mas mentir para si mesma é uma tortura.